27.1.06

Não ter de soletrar meu nome é ganho de tempo.


Ligo o rádio e ouço o cara, aquele cara, sabe? Ele canta uma música com o meu nome. Nessas horas me reconcilio com papai e digo: obrigada Chico. Não, meu pai não se chama Chico, bobinho. Se bem que Chico também é um bom nome. É daqueles que você esquece a origem. Francisco? Não sei, já penso em avô. É que tá na moda colocar nome de vovô em bebê. É tipo chique. No fim vai virar Tião, Fred, Zé. Enfim, nomes antigos tem um quê de majestade, dizem. Eu poderia me chamar Maria. Até gostaria. Mas Maria só Maria? Tem de ser alguma coisa como Maria Antonietta, com dois "t", lógico.


Meu nome não tem letras duplas. É cru. Fico olhando para ele, impresso na conta de telefone. Às vezes acho que parece nome de homem, apesar de a versão masculina dele ser muito esquisita. Não é que nem "Eduardo" e "Eduarda", "Paulo" e "Paula".


E ele também não é daqueles neutros. Li esses dias nos classificados: "Vendo lindos filhotes de beagle. Tratar com Eurípedes." Eu tava realmente querendo ligar. Daí pensei que se não fosse a própria pessoa Eurípedes que atendesse, como é que eu ia perguntar? "Olá, o/a Eurípedes está? É sobre os filhotinhos." Fiquei angustiada. Uma bobagem, eu sei. Pulei para o anúncio de baixo, era uma Lúcia. Sem problemas.


Uma vantagem quando a gente é criança são os anagramas. Quem consegue pensar em um anagrama para o Wesley? "Wencedor", "Ynteligente". Não dá, cara. Outra facilidade são os poemas. Qualquer um faz poema com meu nome, ele é bom de rima. Dá pra ser romântico sem maiores erudições. Imagina um poema para o Pablo. Não tem nada que rime com Pablo, meu Deus. Eu poderia citar exemplos piores, mas pega mal, você sabe.


Falar de nome mexe muito com a vaidade das pessoas. Gosto não se discute, mas não dá pra negar que existem nomes feios e nomes bonitos. E os normais, como o meu. E pior que os normais, os comuns. Como o meu, ao quadrado. Não gosto nem de pensar na quantidade delas espalhadas por aí. E em várias línguas, combinações. Sendo chamadas pelo mesmo maldito apelido. Até o Papa - que Deus o tenha. Tá, nada a favor do Papa, mas ele era um velhinho e velhinhos me comovem.


Pensando bem, não consigo me lembrar de alguém que tenha o meu nome e que eu realmente admire. Só péssimas atrizes e cantoras ruins. Nenhuma literata. Ninguém.


Será uma espécie de karma nominal? Mau agouro em oito letras?


E agora eu não tenho nem um outro nomezinho para me confortar. Para me ajudar nesse momento difícil, mudar a identidade, essas coisas. O jeito é procurar o disco do Seu Jorge. E colocar a música para repetir. Já não basta a outra chorando na janela. Aquela tonta. Só pode ser porque se chamava Carolina.

passado, pelas 18:14 9 comentários

9.1.06

Sempre fizera questão de deixar claro: nunca compôs músicas com o intuito objetivo de conquistar mulheres. Muito pelo contrário, a maior parte de suas canções era fruto de desilusões. Qualquer um que avaliasse a sua obra perceberia que, pelo menos metade dela, era motivada por um belo pé na bunda. O que nunca mencionava, no entanto, era o tanto de mulheres que conseguia depois, ao cantar a sua dor-de-cotovelo. É que estas não tinham importância, eram só para aplacar o sofrimento que sua verdadeira musa lhe deixara.


Os seus grandes olhos azuis também lhe favoreciam bastante no momento do flerte. Bastava um olhar mais profundo acompanhado de uma melodia de acordes simples e poesia recoberta de açúcar. Era quase sempre infalível e ainda vinha seguido de uma envaidecedora comparação com Chico Buarque. Saía de mais uma noite com o instinto saciado e a deliciosa sensação de que estava cada vez mais parecido com seu ídolo. Não havia nada melhor para o seu ego.

Isso sempre o fazia lembrar de uma antiga namorada. Uma vez ela lhe dissera:

- Benzinho, nunca te traí e nem penso em fazer isso, mas se um dia o Chico me quiser, sinto muito. Fico com ele.

Ele tragou seu cigarro e, após um instante de reflexão, respondeu sincero:

- Tudo bem. Eu faria o mesmo. Aliás, sentiria muito mais ciúmes por parte dele do que pela sua.

A menina nunca mais retornou suas ligações. Há um tempo atrás, ficou sabendo que ela tentara virar lésbica, mas ao perceber que continuaria sendo trocada pelo Chico, desistiu da idéia. A última notícia que teve dela foi quando a encontrou em uma loja de instrumentos. Ela havia acabado de comprar um violão.


Chá de Jasmim

passado, pelas 14:31 7 comentários

Links

Arquivo

Powered by Blogger